Uma breve relação entre Filosofia e Psicologia

Jackson de Sousa Braga

 

Existe uma forte relação entre a Filosofia e a Psicologia, podendo-se afirmar que são as ciências humanas mais próximas[1]. Os primeiros estudos sobre o psiquismo e a alma foram realizados pela Filosofia Grega, a qual observava atentamente as atividades humanas e a manifestação da alma[2]. Sendo assim, pretende-se aqui fazer uma breve análise da relação de proximidade entre a Filosofia e Psicologia, salientando: a grande afinidade que existe entre o pensamento filosófico e a Psicologia; o aprofundamento da antropologia filosófica, principalmente do psiquismo, dimensão constitutiva do ser humano; e, por fim, o autoconhecimento, que propiciará um encontro da verdade e bem que habita no interior humano.

A própria etimologia da palavra Psicologia pode ressaltar o desejo que tanto a Filosofia quanto a Psicologia tem, a saber: conhecer “O que é homem” [3]. O termo ψυχή (psyché) significa pessoa, alma humana, sentimento, caráter[4] e λόγος (lógos) significa matéria de estudo e conversação, relato, notícia[5]. Sendo assim, a Psicologia busca estudar a pessoa humana, principalmente sua dimensão interior.  Do mesmo modo que o pensamento filosófico: “No campo filosófico, a interrogação sobre o homem torna-se o tema dominante na época da sofística antiga (séc. V a. C.) e, a partir de então, acompanha todo o desenvolvimento histórico da Filosofia Ocidental…”[6]

Sendo assim, expressa-se uma primeira relação entre o estudo da psicologia e o pensamento filosófico, pois aquela está em estreita relação com este, possibilitando-se assim um diálogo e um aprofundamento de temas caros à Filosofia que a psicologia poderia iluminar e/ou até mesmo responder e dar soluções.

Já nesta segunda relação faz mister lembrar do  pensador Immanuel Kant, filósofo moderno do século XVIII, que elaborou uma crítica à Filosofia e consagrou seu pensamento como a “filosofia da filosofia”[7] . Kant ressalta na obra Crítica da Razão Pura que todo interesse de seu pensamento está nas questões:

Que posso saber?

Que devo fazer?

Que posso esperar?[8]

Estas perguntas são, na obra Lógica, unificadas em uma só (que está ausente na Crítica da Razão Pura): “o que é o homem?”. Kant salienta que a Filosofia é, impreterivelmente, uma forma de antropologia[9]. Ao que se percebe, a partir do pensamento Kantiano, a questão sobre o ser humano se torna central em toda reflexão filosófica[10], ou seja, o ápice de todo discurso filosófico se dará na antropologia.

Assim sendo, os estudos da Filosofia moderna e pós-moderna se voltam com insistência para elaborar o melhor discurso possível sobre o ser humano[11], buscando levar em consideração suas categorias de estrutura, relação e unidade. Na categoria de estrutura ou níveis ontológicos constitutivos, o ser humano é composto de corpo próprio, psiquismo e espírito (dimensão espiritual, chamada por alguns autores também de mente)[12]. Na categoria de estrutura percebe-se a importância e influência da dimensão psíquica, porque é graças a ela que poderá acontecer a ligação entre as outras duas dimensões: “Desde o início, pois, de nossa reflexão sobre o psiquismo ele aparece como situado numa posição mediadora entre o corporal e o espiritual.” [13] Além disso, o psiquismo é responsável por interiorizar as experiências vividas pela dimensão corporal e exteriorizar o mundo interior do sujeito humano:

A passagem do estar-no-mundo para o ser-no-mundo, ou da presença natural para a presença intencional, dá-se aqui no sentido de uma interiorização do mundo ou da constituição de um mundo interior. Pelo ‘corpo próprio’ o homem se exterioriza ou constitui sua expressão ou figura interior, e o Eu corporal é como que absorvido nessa exteriorização. Pelo psiquismo o homem plasma sua exteriorização ou figura interior, de modo que se possa falar com propriedade do Eu psíquico ou psicológico.[14]

Portanto, o estudo da dimensão psíquica é fundamental para uma lapidação dos estudos antropológicos filosóficos, pois o psiquismo faz acontecer o encontro da unidade entre os polos da dimensão humana e ainda aprofundar as expressões interiores do homem. No estudo do psiquismo humano poder-se-á entrar mais profundamente no estudo da dimensão que consegue trazer unidade na constituição ontológica humana e ainda é responsável por fazer com que o ser humano saia de um solipsismo espiritual para uma abertura ao mundo real e empírico.

Por fim, apresenta-se esta terceira relação, fazendo-se menção ao o pensamento de Agostinho de Hipona, o qual acredita que o ser humano tem pela Razão (inteligência-razão) uma abertura para a Verdade e pela Vontade uma abertura para o Bem, conforme afirma Sciacca sobre o Agostinho: “Todas as operações do espírito provenientes do espírito mesmo por meio da inteligência-razão, que alcança a Verdade, e da vontade, que adere ao Bem.”[15] Sendo assim, a dimensão interior do ser humano busca a verdade e o bem, pois todos os homens estão abertos a esse encontro.

O ser humano, deste modo, vai a uma busca constante por essa verdade e esse bem que possa dar sentido a sua existência e manter-lhe em constante descoberta e desvendamento do mundo interior e exterior. Quanto maior seu afastamento de si mesmo menor será sua possibilidade de encontrar essa Verdade e Bem que tanto busca. O ser humano deve, então, partir em busca dessa verdade no mais íntimo de si mesmo, pois poderá encontrar nessa relação consigo mesmo o seu sentido: “Não saias de ti, mas volta para dentro de ti mesmo, a verdade habita no coração do homem”[16].

Ora, sendo a psicologia o estudo do ser humano, com atenção para a interioridade humana, vê-se como terceira relação o autoconhecimento pessoal, visto que é necessário, conforme afirmado acima, o homem se conhecer para encontrar a verdade e o bem, consequentemente o sentido da existência humana. A psicologia poderá propiciar um maior contato com a dimensão interior humana e, assim, a uma aproximação do “eu” que habita no “coração humano”.

Deste modo, pode-se concluir que a Filosofia e a Psicologia tem uma estreita relação e necessitam estar constantemente sendo estudadas para um melhor aproveitamento da Antropologia. Além disso, ambos os estudos podem propiciar ao homem um maior autoconhecimento de si e melhorar as relações intersubjetivas. Ressalta-se que este estudo não pretendeu apontar todos os pontos de relação entre a Filosofia e Psicologia, mas foram apontados aspectos que se acredita serem alguns dos principais.

Referências

AGOSTINHO, Santo. A verdadeira Religião. Trad. Nair de Assis Oliveira. 2.ed. São Paulo: Paulus, 1987.

DEKENS, Olivier. Compreender Kant. Trad. Paula Silva. São Paulo: Loyola, 2008.

DORIN, Lannoy. Enciclopédia de Psicologia Contemporânea: Psicologia geral. São Paulo: Iracema, 1980. v. 1.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Trad. Valerio Rohder e Udo Baldur Moosburger. São Paulo: Nova Cutural, 1999.

MELENDO, Tomás. Iniciação à Filosofia: Razão, fé e verdade. Trad. Marciano Lang Fraga. São Paulo: Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência Raimundo Lúcio, 2005.

PEREIRA, Isídio, S.J.. Dicionário grego-português e portguês-grego. 5. ed. Porto: Apostolado da Imprensa, 1976.

SCIACCA, M. F. San Agustín. Trad.  P. Ulpiano Álvarez Díes, O. S. A. Barcelona: Luis Miracle, 1995

VAZ, H. Cláudio de Lima. Antropologia Filosófica. 10. ed. São Paulo: Loyola, 2010.


[1]Cf.  VAZ, 2010, p. 171

[2] Pode-se citar alguns exemplos: Sócrates pensava, baseado no oráculo de Delfos, que para se conhecer o comportamento das outras pessoas era necessário conhecer-se a si próprio: “conhece-te a ti mesmo”; já Platão preocupa-se mais com o problema das origens das ideias; Aristóteles é o primeiro a se aventurar nas investigações mais seguras sobre a consciência e a conduta do homem (Cf. DORIN, 1980, p. 6 e 7)

[3] Cf. VAZ, 2010, p. 3

[4] Cf. PEREIRA, 1976, p. 638.

[5] Cf. PEREIRA, 1976, p. 350.

[6] VAZ, 2010, p. 3

[7] DEKENS, 2008, p. 10

[8] KANT, 1999, p. 478

[9] Cf. DEKENS, 2008, p. 18. Antropologia significa em sua etimologia o estudo do ser humano (ἂνθρωπος [ánthropos] significa em grego homem, mulher Cf. PEREIRA, 1976, p. 51). Existe uma diferença entre a antropologia e a psicologia, visto que a Antropologia tem como objetivo construir um discurso sobre o homem-objeto (epsitemologicamente), formalmente considerado como sujeito (ontologicamente) Cf. VAZ, 2010, p. 3, já a psicologia é uma ciência que busca compreender o ser humano a partir de seus comportamentos e condutas em seu meio Cf. VAZ, 2010, 172.

[10] Na nota 6 da primeira justificativa afirma-se com Lima Vaz, que o questionamento sobre o homem é um tema que na antiguidade se tornou constante, porém não essencial. Na antiguidade, a questão central está em torno do discurso sobre o absoluto, ou seja, metafísico. A partir da modernidade o discurso se centra nas questões antropológicas, conforme ressaltado.

[11] Cf. MELENDO, 2005, p. 65.

[12] Cf. VAZ, 2010, p. 154. Não se vê necessidade de citar no texto as divisões das categorias de relação (objetividade, inter-subjetividade e transcendência) e de unidade (realização e essência ou pessoa), visto que não  seestá fazendo um estudo aprofundado do tema e do autor, mas sim levando em consideração a importância de suas observações acerca do pensamento sobre o homem.

[13] Ibidem, p. 168.

[14] VAZ, 2010, p. 169.

[15] SCIACCA,1955, p.427. “Todas las operaciones del espíritu provienen del espíritu mismo por medio de la inteligencia-razón, que alcanza la verdad, y de la voluntad, que se adhiere al bein.”

[16] AGOSTINHO, 1987, VI, 39, 72.

  1. Felipe santos

    Gostei e achei super interessante e gostaria de estar sempre recebendo novidades no meu email. Obrigado!!!!

  2. joseane s.barbosa

    maravilhoso estou no 1 periodo pedagogia e ajudou muito!!obrigada!

  3. paulo2012

    gostei muito q isso repita mais vezes

  4. rafaelli

    a psicologia e muito legal principalmente vinculada a filosofia bjsss
    prof:OTO REICHERT meu prof de filosofia no curso de Psicologia na FASB em Barreiras-BA fala muito bem desse ARTIGO…..

  5. moises lando

    a psicologia é o estudo do espirito ou estado emocional do ser humano, é com ela que podemos restabilizar a nossa memoria.

  6. Vai ajudar me no trabalho religioso, obrigado

  7. Karliane Farias

    super interessante me ajudou com algumas duvidas. Excelente explicação!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s